Lugares que todo engenheiro sonha conhecer

Alguns destinos combinam muito bem com engenheiros: lugares inovadores, com construções fascinantes e que aliam muito bem a tecnologia com o cotidiano.

Confira uma lista com esses lugares e faça seus planos para as próximas viagens!

Nova York

Uma das cidades mais importantes do mundo, Nova York exerce um impacto significativo sobre o comércio, as finanças, tecnologia, pesquisa e educação de todo o planeta. Considerada uma das maiores metrópoles existentes, seu desenvolvimento já impressionava no século 18, com a construção de portos e pontes, e hoje tem alguns dos edifícios mais famosos.

Em 1930, em plena Grande Depressão, uma das soluções encontradas pelo governo dos EUA para tentar resolver problemas socioeconômicos foi a construção dos megaempreendimentos que hoje encantam pessoas de todo o mundo.

Falando ainda de história, a Big Apple foi palco de uma corrida para construir o edifício mais alto da cidade, o que resultou na constituição do Chrysler Building e do Empire State Building.

Nova York também abriga gigantes empresas que se destacam na área de tecnologia. As ações da Apple, do Facebook e da Alphabet, a controladora do Google, têm conseguido fortes ganhos na bolsa de valores da cidade, o que reforça a importância do setor para a região. Além disso, Nova York possui a Nasdaq, conhecida como a bolsa de valores das empresas de tecnologia, caracterizada por reunir companhias com inovação de ponta em eletrônica, informática, telecomunicações e biotecnologia.

Tóquio

Para conseguir comportar os 37 milhões de habitantes de sua região metropolitana, a cidade mais populosa do mundo possui cerca de 300 km de vias elevadas. Sem isso, seria quase impossível toda essa gente se movimentar nas vias da cidade. A capital japonesa também abriga a Tokyo Skytree, construída para a ser maior torre do mundo, com 643 metros de altura.

Por três vezes, a metrópole sofreu grande devastação: primeiro, em 1923, com o terremoto de Kanto. Anos depois, foi bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial. Já em 2011, foi a vez de um tsunami atingir a cidade. Diante desses cenários, a cidade teve que se reerguer, o que necessitou de um grande processo de renovação urbana e a possibilidade de encontrarmos construções antigas junto com o moderno. Um exemplo disso é o Edo-Tokyo Museum, um edifício futurista onde a história da cidade é contada de forma interativa, tendo maquetes de templos e até roupas de gueixas.                

O que muitos não sabem também é que Tóquio possui uma verdadeira vida subterrânea. Nos túneis que ficam abaixo da terra existem galerias de comércio, com lojas, restaurantes e até parque de diversões. Um verdadeiro paraíso para quem gosta de infraestrutura urbana. Outra curiosidade é o gigantesco sistema de galerias fluviais que a capital possui para escoar a água da chuva. Apesar de ser atingida por ciclones com muita frequência, Tóquio raramente sofre com os transtornos de uma enchente. 

Além disso, nesse constante processo de transformação e modernização, a cidade nunca perde o espírito inovador e está a todo vapor na corrida da indústria 4.0.

Medellín

Se o seu destino é visitar os vizinhos da América do Sul, a cidade colombiana de Medellín recebeu em 2016 o prêmio mais importante de urbanismo e desenvolvimento do mundo, o Lee Kuan Yew World City Prize. O objetivo da premiação é reconhecer a construção de cidades sustentáveis, em que a população possa encontrar um ambiente ideal para se desenvolver de forma plena.

Mas você sabe por que Medellín foi a escolhida? A cidade apresenta um impressionante desenvolvimento desde 2004, quando a prefeitura elaborou um plano de mudanças com foco em mobilidade, educação, construção de espaços públicos e áreas verdes. Com isso, o município passou de uma local notoriamente violento para um exemplo de transformação cultural, urbanística e social, ótima para o turismo também. Em 2013, foi eleita ainda a cidade mais inovadora do mundo, e, em 2016, foi considerada uma das melhores cidades para se viver da América Latina.

A infraestrutura também sofreu grandes mudanças, com a construção de um excelente sistema de metrô integrado com o primeiro teleférico urbano do mundo – com 9,5km de extensão, conectando as regiões mais altas e periféricas ao centro urbano. Outra inovação são escadas rolantes urbanas, que permitem que a população explore toda a extensão da cidade.

Dubai

Símbolo da riqueza encontrada nos Emirados Árabes, Dubai conta com grandes projetos futuristas, caracterizando a cidade como um verdadeiro paraíso para os engenheiros civis.

Nos anos 1960, foi iniciada a exploração de petróleo, o que impulsionou o desenvolvimento urbano. Na década de 1990, a região começou a se desenvolver, mas ainda com poucos empreendimentos. Já no início dos anos 2000, a região já havia se tornado uma megalópole, considerada centro de modernidade urbana.

Atualmente, Dubai conta com 2,2 milhões de habitantes e com os dois prédios mais altos do mundo, o Hotel Burj Al Arab e o Edifício Burj Khalifa, que têm cerca de 828 metros de altura e mais de 160 andares. Outra obra grandiosa é Dubai Metro Link, um tubo de vidro de 820 metros que liga a estação de metrô Burj Khalifa ao The Dubai Mall.

Além disso, 70% de seus moradores são estrangeiros, o que demonstra as vastas opções de empregos na região, boa parte deles para a área de Engenharia, tendo em vista as inúmeras obras existentes e aos investimentos em tecnologia, que pretendem fazer de Dubai um lugar ainda mais impressionante.

Egito

Você sabia que a origem da Agrimensura se deu no Egito Antigo, em 1.400 a. C.? Isso faz com que essa seja uma das mais antigas artes praticadas pelo homem, de acordo com a revista A Mira.

Na época, o agrimensor tinha a tarefa de demarcar as terras às margens do rio Nilo, além de analisar os prejuízos causados pelas cheias e restabelecer demarcações entre propriedades.

Nessa época, foram construídos diversos monumentos, sempre com o objetivo de demonstrar a religiosidade da população. Nesse sentido, incontáveis pirâmides, templos sagrados e teatros foram erguidos, sendo utilizados simples e eficazes equipamentos para manipular materiais como pedra, tijolo de adobe e madeira.

Atualmente, ainda é possível observar toda essa história viva, como o complexo arqueológico Abu-Simbel, a Grande Esfinge de Gizé e as Pirâmides de Gizé, às margens do rio Nilo.

Canal do Panamá

Construído há 103 anos, o Canal do Panamá possui 77,1km de comprimento e liga o Oceano Atlântico ao Pacífico. Ele foi projetado com o objetivo de ser uma travessia estratégica para o comércio internacional. Atualmente, corresponde a 4% do comércio mundial, recebendo cerca de 15 mil embarcações por ano.

Após dez anos de obras, o canal permitiu que barcos e navios percorressem o trajeto em um período entre oito e dez horas. Antes disso, o percurso tinha aproximadamente 20 mil quilômetros e levava dias, pois as embarcações precisavam contornar toda a extremidade sul da América do Sul.

Devido às escassas tecnologias existentes, diversas dificuldades foram encontradas durante a construção. Logo no começo da obra, diferenças entre tipos de terreno, relevo, clima, chuvas e doenças tropicais obrigaram o projeto a ser alterado, deixando de lado a ideia de ser uma travessia a nível do mar. Os degraus naturais entre os oceanos dificultaram ainda mais o processo de construção, que passou pelas mãos de franceses e estadunidenses. Hoje, além dos benefícios econômicos, é um belo lugar para turistar e admirando um pouco da história, as eclusas e o sobe e desce dos navios.

E você, sonha em conhecer algum desses lugares? Deixe seu comentário e nos siga em nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.

Comments

comments

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"