Por que todo engenheiro deveria dominar as regras do português?

Engenharia, ramo profissional e de conhecimento das Ciências Exatas que está vinculada à habilidade com cálculos e ao raciocínio lógico. Escolha provável de quem, no ensino médio, já mostrava facilidade em disciplinas como Matemática e Física, mas que não era lá o melhor da turma em Língua Portuguesa, em muitos casos. Certo?

Para quem achou que ao ingressar em um curso de Engenharia ficaria livre das regras do Português, uma notícia: não há escapatória. Para se tornar um profissional respeitado e bem-sucedido em qualquer área, comunicar-se com sucesso e de acordo com as formalidades que o ambiente de trabalho exige é essencial.

Ainda não se convenceu? Listamos abaixo quatro situações do cotidiano de um engenheiro em que o domínio da Língua Portuguesa é essencial para te dar motivos para correr em busca da gramática mais próxima.

No currículo não podem ter erros de português

Você pode ser um engenheiro em início de carreira ou com alguma trajetória já traçada. De toda maneira, seu currículo precisa estar sempre atualizado e, claro, impecável.

Não importa o quão bom profissional que você seja na sua área: se o material que te apresenta já contém erros de virar os olhos, o possível empregador pode achar que eles serão recorrentes na sua rotina de trabalho e que, assim, poderão comprometer a imagem da própria companhia. Afinal, sendo um funcionário, você representa a empresa para clientes, fornecedores e órgãos públicos.

Além disso, erros de Português cometidos durante o processo de seleção podem dar a impressão de que você tem pouco repertório cultural, algo muito valorizado atualmente por facilitar as relações interpessoais.

Um dos principais meios de comunicação dentro das empresas são os e-mails

Pense bem: quantos e-mails um engenheiro precisa enviar por dia? É até difícil mensurar!

Caso você se engane nas conjugações dos verbos, deixe passar batido um substantivo no plural com um adjetivo no singular ou mesmo não consiga redigir um e-mail com coerência, sempre será lembrado pelos deslizes. E, uma vez apertado o botão “enviar”, não há como voltar atrás: seu e-mail e seus tropeços ficarão para sempre arquivados.

Além disso, se a compreensão do seu interlocutor for comprometida por conta dos seus erros, ele terá que te responder de volta para que você tenha uma segunda chance de se explicar. Ou seja, trabalho dobrado, tempo perdido e ineficiência.

Um adendo: escrever “vc” em vez de “você” ou “tbm” em vez de “também” funciona na conversa via redes sociais ou celular com amigos, mas não no ambiente corporativo.

É preciso dominar o idioma também nas reuniões e apresentações orais

Por mais que a língua falada não seja tão formal e “rígida” como a escrita, é preciso manter o bom senso e a atenção às normas. A oralidade pode até permitir mais leveza na hora de pronunciar um verbo no infinitivo e “comer” a letra R do final, mas não dá aval para que um profissional use expressões como “menas”, “seje”.

Em um cenário competitivo, qualquer escorregão é motivo para críticas, que serão ainda mais dolorosas se vindas de seu gerente, supervisor, diretor. Quem vai ficar em uma situação “meio complicada” é você.

Relatórios fazem parte da rotina do engenheiro

Produzir relatórios e outros documentos formais é atividade corriqueira na vida de um engenheiro. E esses materiais não contam somente com dados numéricos, mas também com textos explicativos.

Trocar “ao encontro de” por “de encontro a” ou “ratificar” por “retificar” pode fazer com que toda a sua mensagem tenha o sentido exatamente oposto daquele que você planejou. Portanto, procure sempre escrever da melhor forma e lembre-se de fazer uma revisão do conteúdo que você escreveu.

Pode soar incômodo, mas é a realidade de mercado: você está sendo avaliado a todo momento, seja qual for sua área ou cargo que ocupa. Assim, estar atento às regras da norma culta e se expressar de maneira coerente, de forma que outras pessoas o entendam bem e sem mal-entendidos, só conta pontos a seu favor.

Então, melhor tornar a leitura um hábito constante, revisitar livros de Português ou buscar outros recursos (sites, cursos de curta duração ou virtuais) para não cometer gafes e ter sua imagem profissional comprometida.

Além disso, na hora de escolher um curso superior veja se a faculdade tem disciplinas ligadas à Língua Portuguesa e Redação, para te ajudar ainda mais a desenvolver melhor essa habilidade!

Fique sempre ligado(a) em nossas dicas e aproveite para curtir nossa página no Facebook!

 

Comments

comments

feamig

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"